Criacionismo da Revista Galileu

| Ler Comentários

"Quando surgiu a Terra? Há 10.000 anos, no máximo. Quanto tempo durou o período geológico do Jurássico? Menos de três meses. Como funciona a seleção natural? Impede o desenvolvimento de novas espécies. Como explicar a sofisticada bioquímica da vida? Ela foi formada segundo o planejameto de uma inteligência superior." introdução do artigo de Pablo Nogueira na Revista Galileu, edição de junho / 2003, pág. 18.

"Um volume considerável de evidências está disponível e nos dá respaldo para responder à indagação persistente: Quem tem a verdade, a ciência ou a Escritura?", Ariel Routh, doutor em zoologia pela Universidade de Michigan, criacionista.

Da necessidade de pensar...
Por
Flávio E. Souza da Cunha.

O conhecimento "enlatado".
A nossa era é a era das facilidades e do conforto: fast-food, enlatados, pipoca instantânea, macarrão instantâneo, arroz instantâneo, microondas, etc.. Ninguém mais está disposto a perder tempo com coisas mecânicas que podem ser feitas num clique. Assim também com a informação: a TV, internet, as revistas semanais, mensais, as propagandas, os boatos no trabalho, etc.: pra que ler e reler, pesquisar, estudar, quando dispomos de tanta "informação instantânea"?

O problema é que esse efeito tem distanciado cada vez mais pessoas das verdades que têm sido encobertas pela poeira da ignorância de terceiros. Alguns homens de ciÊncia dizem ter descoberto, por exemplo, evidências da evolução... ninguém se questiona: quais evidências? quais as contra-evidências? quais os argumentos? quais os contra-argumentos? Mas se o cientista falou, é a verdade e pronto. "Eu não sou cientista, resta-me crer naqueles que são", e quem isto afirma esquece-se que aquele cientista é sujeito aos mesmos defeitos, sentimentos de orgulho, raiva, amor, inveja, alegria, ódio.

Resenha do artigo.
Ilustração da revista. Clique para ir ao site... A Revista Galileu do mês de junho parecia ter encontrado o caminho oposto a essa tendência de mistificação da ciência... Pelo menos em cerca de 75% do artigo, o sr. Pablo Nogueira expôs com precisão os argumentos criacionistas confrontados com os argumentos evolucionistas, ou vice-versa. Com a introdução transcrita acima, o articulista expõe a seriedade da idéia, mencionando alguns fatos históricos que deram origem às várias atuais sociedades de criacionismo e líderes de renome no meio científico que as apoiam. Então passa a desdobrar os argumentos ou contra-argumentos do criacionismo, tais como: primeiro expõe a fala de Duane Gish, bioquímico crioacionista mais famoso do mundo, com o mistério da matéria escura do Uinverso (que representa 80% dele), e a oposição da 2a. lei da termodinâmica. Ainda em Gish, expõe o problema da inexistência de fósseis de transição: "Se temos bilhões de fósseis de invertebrados e bilhões de fósseis de peixes, deveríamos achar também bilhões de fósseis de seres intermediários entre eles. Mas não encontramos nenhum que seja indiscutivelmente uma espécie de transição". É então que expõe a idéia de finalidade existente na natureza (como a metamorfose da borboleta), e os trabalhos de um grupo especializado nisso, o Design Inteligente, que segundo eles, nada tem a ver com crioacionismo: "Mas a ciência pode aceitar a idéia de finalidade sem ter que aceitar a existência de Deus". Então, o sr. Nogueira chega ao ápice de seu artigo no que tange aos criacionistas: expõe a necessidade da discussão do criacionismo no meio acadêmico, e como este tem tornado um dogma as idéias do evolucionismo através do ostracismo, o que contraria absolutamente o princípio científico.

Neste ponto, com o subtítulo "É preciso debater Deus" e "O ônus da prova", o articulista destrói tudo que havia construído, em favor do evolucionismo e do ateísmo. Com falas padrão como as do pesquisador da USP, Sérgio Matioli: "As evidências em favor da evolução são tão avassaladoras que ela não é mais vista como teoria e sim como fato", com falas como essa o autor vai gerando no leitor a idéia de que tudo o que ele escrevera antes fosse apenas um devaneio, 'agora é hora de voltar à realidade, e a realidade é esta: esqueça Deus'. Ou seja, faz parecer que não estava ali para lançar discussão nenhuma; apenas para brincar um pouco com a capacidade da "ciência" para refutar "argumentos fracos de evidências". Afinal o que ele quer dizer com esse subtítulo: "ônus da prova", se não que os criacionistas não conseguem provar o que afirmam?

Problemas no desfecho.
O fato é que o autor abriu a discussão, e pretendeu fechá-la ele mesmo, com algum tipo de tabú e verdade pronta criado por alguns cientistas, como o macarrão instantâneo tão vendido hoje em dia... Nenhum contra-argumento apresentado no fim do texto tem força de argumento se pensado sem o apoio destes preconceitos científicos. Por exemplo: para anular a oposição levantada pelos criacionistas a respeito da 2a. lei da termodinâmica, coloca a resposta de Reginaldo Cordeiro, ex-coordenador do Fórum Brasileiro de Céticos: "Quando a água congela, ela aumenta a organização de suas moléculas sem problema algum". O leigo que leia isso vai pensar: "Ah, se esse é um argumento de um 'homem de ciência', então os criacionistas realmente não sabem interpretar as leis da termodinâmica". Mas a resposta acima é mera falácia: como a água pode congelar? A tendência natural não é que suas moléculas simplesmente diminuam a agitação até 0ºC de uma hora para outra! É necessário que perca energia para outro corpo (1a. lei da termodinâmica) e a 2a. lei da termodinâmica diz exatamente que o calor sempre flui do mais quente para o mais frio... Portanto se a ordem das moléculas da água aumenta, esse não é um fenômeno espontâneo em sistema fechado, mas sim em um sistema aberto ao fluxo de massa e energia. Sistemas assim por vezes aumentam a ordem, mas a Física não encontra lugar para explicar processos mais complexos como a formação de amino-ácidos: "Alguns evolucionistas sugerem que a auto-organização de matéria simples, tal como vista na formação de cristais, ou o padrão de ondas que às vezes se forma quando substâncias químicas migram através da matéria sólida, poderia ser um modelo para a auto-organização da matéria em coisas vivas. Contudo, há um vasto abismo entre cristais simples e a complexidade dos sistemas vivos. O desenvolvimento rumo à complexidade funcional vai de encontro à tendência generalizada para a 'desorganização' caótica. Esse é um dos maiores problemas da evolução naturalista." - Routh (ver, sobre isso, o artigo deste site: Termodinâmica, Vida e Evolução). Até porque o Universo como um todo pode ser entendido como um sistema fechado e assim a ordem nele tende, inevitalmente, a diminuir sempre, ainda que em pontos isolados a ordem aumente temporariamente.

Há a necessidade, enfim, de se discutir, livre das influências de preconceitos e tabús, o criacionismo no meio científico; a defasagem dessa tarefa impõe sobre os cidadãos uma irreversível perda em direção à compreensão absoluta do Universo. O sr. Pablo Nogueira conclui seu artigo indagando se "algum dia conceitos como plano diretor na natureza ou Deus criador serão considerados suficientemente 'simples' para serem incorporados à ciência"; não lhe ocorre, entretanto, que esta simplicidade exigida já pode ter sido satisfeita. Mas se à ciência não é permitido sequer ouvir tais idéias, como saberá?

Bibliografia

Ariel Routh, Origens - Relacionando a Ciência com a Bíblia, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí/SP - 2001.

Revista Galileu, edição de junho / 2003. Publicação mensal da Editora Globo. Veja parte da matéria no site da revista.




Fórum - Comentários dos leitores:

 

  • Caro colega:

    Sou inteiramente a favor do criacionismo científico, não vejo ligação no evolucionismo no desenvolvimento celular (DNA) entre animais, nem qualquer evidencia que comprove a confiabilidade da teoria da evolução. Há mera especulação e um fomento científico, entretanto os atropelos a uma ciência dizendo-se que ela está pacificada pode gerar danos incalculáveis a humanidade. A teoria de Einsten que aponta a relatividade dá um idéia de que o mundo fora criado nas condições que as coisas reais são manifestações de uma mesma realidade una e indivisível. Outro fato interessante e relevante é que de todos os planetas do universo até o momento a terra é o único que tem vida, confirmado pela biblia. A física quantica con fronta-se com a física convencional. Pela física convencional dois corpos não ocupam o mesmo espaço no mesmo tempo. Mas isto ocorre na gestação humana. Isto passa despercebido aos fatos naturais. Outros dados vem dos granitos que registram polônio primário, desta forma indicando que a terra fora criada em um só momento; Outra evidência são as camadas geológicas que contrapõe-se com a evolução, pois seus registros detalhados demonstram até o diluvio terrestre, não reconhecido pelos evolucionistas. Esta evidência é tão clara porque há a separação dos continentes pelos sismos que causaram o diluvio e acomodaram fosseis a mais de 5000 metros abaixo no nível do mar. Uma evidência recente, é o tumba do rei Heródes, os quais os evolucionistas acreditavam ser uma mentira. Inúmeras são as evidências inexplicaveis pelas ciência evolucionista, poderia citar outras, mas o espaço não me permite. - Edson Grothe.

    • Olá Edson!
      Muito obrigado por sua colaboração. A ciência não pode estar fechada a nenhuma forma de conhecimento, quanto menos ao conhecimento mais importante da história do ser humano: a Religião. - Física Real

     



    
    Principal | Atividades | Fórum | Aos Alunos
    Interagindo | Aspectos  Filosóficos | Noticias
    E-mail:  flavioscunha@hotmail.com